Suspeito de matar paraibana natural de Riacho dos Cavalos é preso em São Paulo.

Data: 3 de outubro de 2019

 

Exames de DNA ajudaram a polícia a identificar o homem preso suspeito de matar a paraibana Aline Dantas, de 19 anos, em Alumínio (SP). Heronildo Martins de Vasconcelos, de 45 anos, foi preso nesta quarta-feira (2).
O suspeito foi localizado em casa, em Alumínio, e negou o crime à polícia. Ele teve a prisão temporária de 30 dias pedida pela polícia à Justiça.
Segundo a Polícia Civil, os laudos apontaram que a vítima achada morta em um matagal, em setembro deste ano, foi estuprada e tentou se defender do abuso.
De acordo com a delegada Luciane Bachir, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Sorocaba, foram colhidos materiais genéticos de quatro homens com histórico de violência sexual.
Um deles era do desempregado Heronildo. O DNA do suspeito foi identificado abaixo das unhas de Aline e no órgão sexual da vítima.
“A nossa investigação afunilou nele desde praticamente o início. Os indícios apontavam para ele e os laudos vieram para complementar o que praticamente estava comprovado. Tratamos o crime como elucidado”, disse Bachir.
A vítima e o homem, segundo a polícia, não se conheciam e o crime não teria sido premeditado. O suspeito foi indiciado por homicídio, estupro e ocultação de cadáver.
Vasconcelos tem passagem por uma tentativa de estupro em 2012, também em Alumínio. Na época, o ataque à vítima foi parecido com o de Aline: na rua e em local sem movimento.
Furto de velório
Segundo a delegada, o suspeito havia furtado um litro de álcool em gel de um velório no mesmo dia que Aline desapareceu.
“Heronildo estava em um velório na manhã de um domingo e sumiu do local por volta das 6h. Foi verificado que havia desaparecido um litro de álcool em gel do velório, o que acreditamos que foi usado para queimar o corpo de Aline”, afirma.
A polícia acredita que Aline tenha sido morta em um dia e o suspeito teria retornado no dia seguinte para atear fogo no corpo com pedaços de madeira.
Buscas
Equipes de buscas se mobilizaram para encontrar a jovem depois do desaparecimento. A polícia teve o apoio de cães farejadores da Guarda Municipal de Itupeva.
Segundo a polícia, a identificação foi feita com base nos traços da vítima e de pedaços do vestido que ela usava no dia do desaparecimento.
No dia 12 de setembro, policiais encontraram um artefato explosivo na área onde foi localizado o corpo de Aline.
O velório da jovem foi realizado na manhã do dia 12 de setembro. Ela foi enterrada no cemitério municipal.

Fonte: Click PB



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • Pesquisar: