Comandante teme aumento de crimes com facilitação da posse de arma

Data: 16 de janeiro de 2019

 

Para o coronel Euller, isso pode levar os cidadãos a buscarem “soluções caseiras” para problemas mínimos.

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Euller Chaves, demonstrou preocupação com relação ao decreto assinado pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que facilita a posse de arma no Brasil. Ele ressaltou que é importante atentar para a possibilidade de isso aumentar o número de crimes dentro das casas das pessoas que estarão possuindo arma de fogo. Para o coronel Euller, isso pode levar os cidadãos a buscarem “soluções caseiras” para problemas mínimos.

Leia também: Entenda o decreto e como vai funcionar a posse de armas

“Nós temos que ver que pode haver um incremento, que pode haver um aumento nos crimes de proximidade, nas soluções caseiras. Onde se resolvia algo com um grito ou com agressão física poderá ter na solução o pegar de uma arma de fogo que está sob a posse de alguém. Então são leituras pontuais que precisam ser feitas pelas autoridades e observadas as estatísticas”, ressaltou durante entrevista à 98 FM/Correio Sat.

Os crimes de proximidades aos quais se refere o coronel Euller são os homicídios por motivos banais, como briga entre vizinhos ou dentro da própria casa.

De posse para porte

Outra preocupação levantada pelo comandante geral da PM paraibana é que os brasileiros podem acabar, por conta própria, transformando o que apenas a posse em porte de arma. “A a posse é o direito de ter em residência ou no comércio. Será que culturalmente isso pode se transformar de posse para porte? As pessoas começarão a utilizar isso em seus veículos?”, questionou.

Estatuto do Desarmamento

O coronel fez uma crítica ao Sistema Nacional de Armas (Sinarm), lei do ano de 2003, e ao cenário de impunidade da segurança brasileira.

“Eu tenho essa leitura que a partir deste instante do Sinarm, os crimes foram crescendo. Nós temos divisores de água onde a impunidade foi reinando e ninguém fala neste momento, por exemplo, em punir mais adequadamente o portador ilegal da arma de fogo. A medida de oferecer a posse da arma de fogo pode aumentar os portadores ilegais e esses sim mereciam uma punição mais adequada”, explica.

Leis mais rigorosas

Na opinião do Coronel, além da flexibilização da posse de arma para o cidadão, também é necessário fortalecer o sistema de lei para punir os portadores ilegais de armas, “pois é esse que está assaltando, é esse que está matando e é esse que está sendo liberado nas delegacias, na audiência de custódia, na frente do policial militar”.

Segundo o militar, 80% dos homicídios cometidos no Brasil são com arma de fogo por portadores ilegais.

Da Redação

Com Portal Correio



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


  • Pesquisar: